implantes dentários

Geralmente o tratamento indicado para a falta de um ou mais dentes é o implante dentário, por ser uma opção mais próxima aos dentes naturais, entretanto, há outras opções como as próteses fixas. Cada caso pede uma técnica diferente, já que, além do orçamento, a saúde geral e da boca precisam ser levadas em consideração para seguir com o tratamento ideal. No artigo de hoje, falaremos sobre a diferença entre implante e prótese. Ambos são muito procurados por quem quer aquele sorriso perfeito!

O que é o implante dentário?

Os implantes são estruturas de metais, sendo o mais comum o titânio, que são cirurgicamente introduzidos na região do maxilar. São considerados muito seguros e com baixíssimo nível de rejeição pelo corpo. Esse procedimento tem como principal objetivo a substituição de raízes que foram perdidas com a extração ou a queda de dentes.

O implante propicia o retorno da mastigação adequada e auxilia também na fala, processos que podem ser prejudicados com a falta de um ou mais dentes.

Quais são os tipos de implantes dentários?

São vários os tipos existentes, mas os mais comuns são:

  • Implante unitário: é o procedimento indicado para a reabilitação de pequenas áreas com dentes perdidos. É iniciado com a instalação do implante e, após o período de osseointegração, há a confecção de uma prótese sobre o implante, finalizando o tratamento.
  • Implante com prótese protocolo: é uma solução moderna para reabilitação oral de pacientes que perderam todos os dentes. Ela funciona como uma prótese fixa, composta, normalmente, por 12 dentes presos em uma única estrutura, que são parafusados sobre 4, 5 ou 6 implantes.
  • Implante com prótese overdenture: ela é feita em porcelana ou outro material que se assemelhe aos dentes naturais. A sua implementação é realizada por meio de dois ou quatro pinos de titânio, que são inseridos na mandíbula superior ou inferior e servirão de ancoragem, como se fossem novas raízes. Na dentadura, são colocados os pinos de encaixe.

 

O que é uma prótese fixa?

O uso de prótese fixa — também chamada de dentadura fixa — visa a substituição de um ou mais dentes ausentes. As próteses fixas podem ser apoiadas sobre implantes ou dentes que funcionam como pilares.  Esse tipo de prótese pode ser único (para um só dente) ou parcial (quando une três ou mais dentes).

A prótese fixa é indicada quando existe um bom suporte ósseo e uma boa saúde periodontal. Caso o paciente não possua esses dois fatores favoráveis, essa alternativa pode trazer prejuízos para a saúde oral. Cabe ao dentista recomendar qual a melhor opção, de acordo com as especificações de cada caso.

Qual é então a diferença entre implante e prótese?

As próteses fixas são indicadas para os pacientes que perderam um ou mais dentes, mas ainda restam alguns na boca. Não há possibilidade de realizar o procedimento sem essas condições, pois a prótese precisa dos outros dentes para servir de pilar e ser fixada. Já o implante, pode ser indicado tanto para substituir um dente ou uma arcada dentária inteira. O procedimento se resume em colocar um pino dentro do osso e depois colocar o dente artificial.

Quanto custa o implante dentário e a prótese fixa?

Os preços de uma prótese fixa e de implantes dentários podem variar de acordo com a região do país, o material utilizado em sua confecção e o laboratório protético.

Em geral, os implantes podem ser de duas a três vezes mais caros que as próteses, porque saem na frente quanto ao quesito durabilidade. Com higiene bucal adequada, podem durar mais de 20 anos! A prótese fixa, por sua vez, dura em média cinco anos.

Qual escolher? Implante dentário ou prótese fixa?

A indicação do procedimento a ser feito dependerá da análise de um dentista especializado.

Como mencionado acima, para os implantes, por exemplo, tem de haver uma quantidade de osso ‘’útil’’ para fixar os pinos utilizados. Por isso, algumas pessoas não podem fazer esse processo. Nesses casos, a prótese é recomendada.

Já para pessoas mais jovens, muitas vezes a prótese não é a melhor opção por não conferir a mesma segurança mastigatória que os implantes.

Cáries, doenças periodontais, infecções e outras doenças na região bucal (ou até sistêmicas, como a diabetes ou problemas cardíacos) também podem contribuir para a escolha de um ou outro procedimento. Por isso, a avaliação precisa ser bem completa e levar em conta uma série de fatores diferentes, a fim de trazer a solução ideal para cada paciente.

Como podemos observar, há uma certa diferença entre implante e prótese nos dentes. Cada um dos procedimentos tem indicações diversas e benefícios bastante variados. Por isso, o acompanhamento com um dentista especializado é fundamental para determinar qual será o caminho a ser seguido baseado em seu caso particular. Assim, é possível obter um sorriso perfeito de forma segura!

Onde fazer seu implante ou prótese?

Precisa de um dentista na Tijuca ou de um dentista em Copacabana? Agora que você já sabe a diferença, que tal escolher? Consulte sempre um especialista.

Agende sua avaliação!