Próteses são aparelhos que substituem os dentes ausentes. Elas podem ser fixas ou móveis (aquelas que podem ser retiradas e recolocadas na boca). Leva algum tempo para que o paciente se acostume e use normalmente, mas as próteses, hoje, são muito mais confortáveis e de aparência natural que as do passado.

Informa Dra. Fernanda Lobo da Silva, que, em alguns casos, há um comprometimento da estética, e em todos os casos, a função mastigatória do paciente, quando se perde um dente..

“Há um comprometimento da estética e da função, quando a perda dentária acontece na região anterior. E quando a perda acontece na região mais posterior da arcada, comprometemos a função. Cada dente tem sua importância no sistema mastigatório e sua função e, com a perda de apenas um dente, a saúde oral já é afetada e, em alguns casos, até mesmo a saúde sistêmica também é afetada, pois os alimentos acabam não sendo bem processados na cavidade oral, em decorrência, podem prejudicar o processo digestivo e consequentemente o excretor. ” Explica Dra. Fernanda Lobo.

Portanto, as próteses têm um papel fundamental na reabilitação das ausências dentárias.

Existem dois tipos de Próteses:

Existem dois tipos principais de próteses: as parciais, que podem ser fixas ou removíveis e as totais (dentaduras). O número de dentes a ser substituídos e o custo do tratamento podem determinar na escolha do tipo de prótese mais apropriado.

Próteses removíveis Parcial

Próteses parciais removíveis com grampo (PPRG)
Estas próteses apresentam uma estrutura metálica com grampos, que são  responsáveis pela retenção nos dentes existentes na arcada. Estas próteses  apresentam estabilidade na hora da mastigação, porém, tem como desvantagem a estética, pois os grampos metálicos ficam aparentes e requer um período para adaptação.

Próteses parciais removíveis flex (PPR flex)
Feitas do material poliamida (chamado de silicone devido à sua flexibilidade), esta prótese dispensa o uso de grampos metálicos, deixando-a mais confortável,  resistente e estética. Mas a desvantagem é o valor, que se comparado à PPRG com grampo metálico, o custo é maior.

Próteses parciais removíveis provisórias
São usadas durante o tratamento. São feitas de resina acrílica, podendo ter grampo ou não, dependendo da necessidade de retenção.

Próteses removíveis total

Próteses totais (PT)
Popularmente conhecidas como dentaduras, são feitas de resina acrílica e são indicadas para pacientes que não possuem dentes (edêntulos), com a função de reabilitar a função e a estética. As desvantagens dessa prótese são a instabilidade, principalmente com relação à inferior, por causa da presença da língua e glândulas salivares, que produzem um meio mais aquoso, e com isso fazem um efeito de “flutuar”.

Próteses Fixas

Próteses totais sobre implantes 

Overdenture, é a prótese retida por componentes protéticos aos implantes. Ela pode ser feita na arcada superior ou inferior, porém é mais comum na arcada inferior (mandíbula). Há dois sistemas para promover essa retenção das overdentures ao implante: O’ring e barra-clip. Essas próteses possuem como  vantagem, a alta estabilidade e a segurança no momento da mastigação.

Protocolo de Branemark (nome dado em homenagem ao seu pesquisador), o qual após implantes instalados e osseointegrados, recebe uma prótese total parafusada sobre eles. Esta é uma solução fixa para pacientes edêntulos (que não tem dentes), tanto na parte superior como inferior.

Este tratamento continua sendo uma revolução para os pacientes desdentados totais, justamente por restaurar a estética, função, segurança, estabilidade,  longevidade e confiança. No sistema de protocolo, temos o de resina, o cerâmico e o em zircônia. A diferença entre eles são os materiais e sua estética e caracterização altamente estética, de acordo com a ordem mencionada acima.

Próteses em forma de coroa, sejam elas totais ou parciais.

Coroa é uma peça protética que repõe um dente, reproduzindo as características funcionais e anatômicas. Essa reabilitação pode ser usada sobre implantes ou sobre dente. Se for sobre dente, sempre será cimentada sobre um núcleo. Se for sobre implante, poderá ser cimentada ou parafusada sobre um componente protético. Estas são usadas na fase de provisório e definitiva, o que vai definir a etapa usada será o material utilizado para confeccioná-la.

As próteses fixas são utilizadas para repor espaços maiores, neste caso as coroas são unidas, não possibilitando a higiene de forma individualizada.

“ Optamos por esse tratamento quando não é possível, por algum motivo, reabilitar com implante, tanto pela questão da higienização, que não permite ser feita de forma individualizada, como também pela questão dos dentes saudáveis, que estão íntegros e serão desgastados e preparados para servirem como pilares da ponte fixa.” Declara, Dra. Fernanda Lobo.

Já as pontes fixas sobre implantes são utilizadas para repor espaços protéticos maiores quando as condições ósseas não permitem a instalação de coroas unitárias.

“Existem diversos tipos de próteses dentárias. É importante lembrar que a indicação do tratamento adequado varia de acordo com a necessidade do paciente e precisa passar por uma criteriosa avaliação profissional.” Conclui Dra. Fernanda Lobo.